sexta-feira, 21 de junho de 2013

Reinaldo Azevedo

Não é pelos 20 centavos, claro! Ainda bem! Vejam o preço da cerveja e os smartphones…

Há fotos que realmente valem por mil palavras, como se diz por aí,  a exemplo desta, de Daniel Teixeira, na primeira página do Estadão de hoje. Vejam.
Esse é o povo (!) do “Movimento Passe Livre”. Não são mesmo a cara da pobreza? Daqui a pouco, essa gente ganha um quadro de humor no Zorra Total… Eles estavam num bar, no centro de São Paulo, assistindo ao anúncio da redução da tarifa.
Como são estudantes, pagam meia passagem. No fim do mês — e na hipótese de que andem de ônibus —, economizarão R$ 4,40. Com esse dinheiro, não conseguem comprar nenhuma das cervejas anunciadas na tabela. A mais barata custa R$ 5.
O rapaz de camiseta branca segura na mão esquerda um iPhone. A que está em primeiro plano também usa um smartphone com uma capinha descolada.
Era uma quarta-feira gorda. Pelo visto, ninguém ali pega no batente, embora todos já sejam bem maduros, não é? Vivem de quê?
Há duas formas de uma pessoa brigar por uma causa: a necessidade e a convicção. Necessidade, obviamente, eles não têm. Então são dotados de convicção. Por convictos, embora não precisem daquilo, então devemos considerar que aderiram a uma causa política, certo? E fazem, pois, política. Tratá-los como representantes do povo e legítimos representantes de usuários é, antes de mais nada, uma fraude jornalística.
Por Reinaldo Azevedo

Nenhum comentário: