quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

QUEM SÃO OS BRASILEIROS QUE A LEI ESTÁ DESARMANDO?
Essa é uma pergunta fácil de responder, claro que são os brasileiros do bem, afinal nenhum bandido sairia de casa para entregar uma arma num posto de coleta de armas.
Não sou favorável que cada cidadão saia à rua portando uma arma de fogo, voltaríamos à época do cangaço, penso que somente as autoridades constituídas devem portar armas de fogo, porém entendo que qualquer cidadão idôneo pode possuir uma arma em casa ou no local de trabalho, principalmente na zona rural. Claro que devidamente registrada e que cada candidato que deseje possuir uma arma passe por uma avaliação prévia da sua vida pregressa.
No meu ponto de vista as armas legalmente adquiridas são as que menos são usadas em atos criminosos, e quando os proprietários se envolvem ou quando a arma é utilizada em ilícito por ter sido furtada ou roubada, facilmente são identificadas, facilitando assim o início de uma investigação.
O problema está nas armas contrabandeadas, essas sim entram aos milhares no Brasil com o destino certo, a criminalidade, como é de conhecimento de todos, até armas de uso exclusivos das forças armadas vão parar nas mãos de marginais e são utilizadas nas mais diversas modalidades de crimes, nenhum cidadão brasileiro é autorizado a comprar legalmente um fuzil 762.
É preciso concentrar esforços para evitar que as armas ilegais entrem no Brasil, se não for assim, as polícias brasileiras vão continuar enxugando gelo na questão do desarmamento, e cidadão de bem cada vez mais inseguros.
Ponta Porã é uma cidade do estado de Mato Grosso do Sul, que faz divisa com o Paraguai, através de uma avenida. Portanto é divisa seca, a avenida Brasil separa os dois países. Entrando no Paraguai, na cidade de Pedro Ruan Cabalero em qualquer loja daquela cidade é possível ver armas e compra-las sem problema nenhum. Não se exige nada para comprar armas e munições.
Há uma rota chamada de estrada cabriteira, que é por onde os contrabandistas fazem o tráfico. Essa é uma estrada vicinal que através dela possível chegar à cidade de Dourados e daí há várias saídas (fugas), inclusive aeroporto. Existe fiscalização que é feita pelas policias rodoviária, civil e militar, mas não é o suficiente para conter o trafico.
Também de Ponta Porã é possível sair por uma rota e entrar no estado do Paraná.Ainda em Mato Grosso do Sul, há a cidade de Corumbá, conhecida como capital do pantanal. Lá também a divisa é seca. Há uma cidade da Bolívia que é distante cerca de 12 km de Corumbá. Por ai também entra muita arma e cocaína. Também é intenso o combate ao tráfico, mas não o suficiente. Acredito que as forças armadas poderiam ser melhores utilizadas na fiscalização das fronteiras do Brasil com os países limítrofes, tenho consciência de que evitar 100% do tráfico de armas é impossível, mas com certeza com uma ação mais enérgica por parte do governo federal, poderíamos evitar que uma grande quantidade de armas ilegais caíssem nas mãos dos marginais, muitas mortes seriam evitadas.
Fique com Deus, abraço.

Edgard Menezes ( cidadão brasileiro)

Fonte:Faxaju.com.br

Nenhum comentário: