terça-feira, 18 de março de 2014

Veja essa...

As minhas posições políticas sempre foram muito claras. Não as escondo, independentemente das consequências delas advindas.
Quem me conhece sabe que sou e sempre serei adversário do grupo político que atualmente dirige a nossa cidade.
A minha divergência não é superficial. Pelo contrário, é profunda e é lastreada na forma como o chefe desse grupo faz política.
A minha crítica a essa administração não está somente focada na falta de obra, na falta de serviços públicos de qualidade, etc. Tudo isso está faltando, mas, pela minha ótica, falta o principal. Falta o amor por esta terra de João Bebe Água.
Eles não têm o menor carinho por São Cristóvão. Eles não conhecem a nossa História. São Cristóvão para eles é simplesmente uma forma de ganhar dinheiro. É apenas um emprego. Aliás, emprego que remunera muito bem.
Na verdade eu os tenho como pessoas estranhas a nossa cidade. São como extraterrestres, os famosos ET’s.
Esta condição pode ser confirmada em diversas situações. Vou aqui relatar duas.
Na Festa de Passos do ano passado eu estava com meus Pais na frente da casa de D. Maria Pinto no sábado à noite e presenciei um cena que só estando presente para acreditar. Eram umas oito horas da noite e a missa que antecede a Procissão estava terminando. Quem conhece São Cristóvão sabe que a esta hora da noite do sábado de Passos é impossível trafegar de veículo no centro histórico, mais precisamente na Rua Pereira Lobo por onde passa a Procissão.
Pois bem, a esta hora da noite a digníssima Prefeita, por desconhecimento ou por arrogância chegou de carro na esquina do correio e já tentava ir para a casa que mantém na praça do Carmo com seu automóvel e só não levou adiante o seu intento porque vários romeiros falaram para ela que era impossível passar de carro. Relutante, teve que dar ré e voltar.
Agora reflitam, alguém que conhece a Festa de Passos tentaria passar de carro pela rua Pereira Lobo (rua do correio) em pleno sábado de Passos à noite?
Hoje vendo as redes sociais me deparo com outro exemplo que demonstra o quanto a nossa Prefeita está dissociada da realidade da cidade que dirige.
Ontem, 17 de março, os aracajuanos comemoram a fundação de Aracaju e a transferência da capital do Estado de Sergipe para aquela cidade, deixando São Cristóvão a passar por momentos de dificuldades.
É verdade, este é um fato consumado e seria insano questioná-lo. Também é natural que os aracajuanos comemorem esta efeméride. Agora, o que eu não entendo é a maior autoridade e representante do município que perdeu a condição de capital, participar desta comemoração. Só é possível explicar pela falta absoluta de sentimento de pertencimento desta terra de João Bebe Água agravada pelo completo desconhecimento da história.
Pense nisso.

Um comentário:

JOSÉ FILHO disse...

O fato de ter nascido na cidade de São Cristóvão não credencia o cidadão a se tornar dela um bom gestor e temos exemplo disso em um passado bem recente, marcado por tumultos políticos/administrativos bem relevantes que são de conhecimento daqueles que não padecem de memória curta ou conveniente. O tempo é outro, os munícipes precisam de bons gestores, é verdade, mas não necessariamente desses que se dizem "filhos da terra", pois tiveram o momento de sair do discurso e nada fizeram.