sexta-feira, 24 de abril de 2015

Blog do Claudio Nunes

Quais professores praticam o estelionato educacional?
SEED: queixa crime e divulgação dos nomes
  “O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.
A sociedade sergipana ficou perplexa ontem ao ouvir e ler nos meios de comunicação que professores da rede pública estadual estão pagando a outros professores para lecionarem as aulas de responsabilidade deles.
O secretário da Educação Jorge Carvalho anunciou que já encaminhou as denúncias para as delegacias e abrirá inquéritos administrativos. Porém, a sociedade sergipana quer mais: que a SEED divulgue os nomes destes professores.  Que eles não fiquem impunes.
O jornalista Diogénes Brayner foi feliz quando escreveu sobre a impunidade: “O ato dos professores em contratar terceiros para dar aulas e dividir salários, como ocorre em Monte Alegre, é a absoluta certeza da impunidade.”
Com certeza o Sintese não comunga com esse ato. Aliás, se tem professor pagando a outro para trabalhar a SEED fique em alerta: no mínimo tem a conivência da direção da escola. Os diretores têm que ser afastados e punidos.
O caso é mais que uma terceirização de serviços. É estelionato educacional, onde o professor ganha um salário e causa prejuízo ao aluno, com um professor não concursado. O professor que “contrata” também é co-autor do crime de usurpação pública e de falsidade ideológica. Sem falar nos crimes administrativos.
O professor recebe o salário e paga um percentual para outro efetuar seu trabalho. E o professor assina a aula, mas quem deu foi outra pessoa. E o professor passou no concurso com provas de títulos e tudo mais. Aliás, se o professor ganha pouco como ainda sobra para ele e para outro? Tem que devolver o salário recebido. Aliás, na prática as aulas dadas por outro não tem valor algum.
O caso de Monte Alegre deve existir em outros locais. O secretário precisa montar uma comissão isenta para investigar todas as escolas e também os profissionais de todas as áreas, inclusive de educação física.
Que moral tem um professor destes para cobrar eficiência de um aluno?
Demissão por justa causa e divulgação dos nomes É o que espera a maioria do magistério que tem compromisso com a educação.

Nenhum comentário: